Warning: Declaration of Walker_Page::start_lvl(&$output, $depth) should be compatible with Walker::start_lvl(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/post-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_Page::end_lvl(&$output, $depth) should be compatible with Walker::end_lvl(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/post-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_Page::start_el(&$output, $page, $depth, $args, $current_page) should be compatible with Walker::start_el(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/post-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_Page::end_el(&$output, $page, $depth) should be compatible with Walker::end_el(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/post-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_PageDropdown::start_el(&$output, $page, $depth, $args) should be compatible with Walker::start_el(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/post-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_Category::start_lvl(&$output, $depth, $args) should be compatible with Walker::start_lvl(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/category-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_Category::end_lvl(&$output, $depth, $args) should be compatible with Walker::end_lvl(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/category-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_Category::start_el(&$output, $category, $depth, $args) should be compatible with Walker::start_el(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/category-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_Category::end_el(&$output, $page, $depth, $args) should be compatible with Walker::end_el(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/category-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_CategoryDropdown::start_el(&$output, $category, $depth, $args) should be compatible with Walker::start_el(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/category-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_Comment::start_lvl(&$output, $depth, $args) should be compatible with Walker::start_lvl(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/comment-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_Comment::end_lvl(&$output, $depth, $args) should be compatible with Walker::end_lvl(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/comment-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_Comment::start_el(&$output, $comment, $depth, $args) should be compatible with Walker::start_el(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/comment-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_Comment::end_el(&$output, $comment, $depth, $args) should be compatible with Walker::end_el(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/comment-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_Nav_Menu::start_lvl(&$output, $depth) should be compatible with Walker::start_lvl(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/nav-menu-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_Nav_Menu::end_lvl(&$output, $depth) should be compatible with Walker::end_lvl(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/nav-menu-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_Nav_Menu::start_el(&$output, $item, $depth, $args) should be compatible with Walker::start_el(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/nav-menu-template.php on line 0

Warning: Declaration of Walker_Nav_Menu::end_el(&$output, $item, $depth) should be compatible with Walker::end_el(&$output) in /home/blogpop/www/wp-includes/nav-menu-template.php on line 0

Warning: Creating default object from empty value in /home/blogpop/www/wp-content/plugins/smart-seo/smart_framework/functions/core.php on line 8

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/blogpop/www/wp-includes/nav-menu-template.php:0) in /home/blogpop/www/wp-content/plugins/wp-greet-box/includes/wp-greet-box.class.php on line 493
Livro dá dicas de como receber pessoas com deficiência em casa | BlogPop, Feito por Anônimos

Livro dá dicas de como receber pessoas com deficiência em casa

@RachelKrishna 08/06/2009 2

Siga o Rio de Janeiro no Instagram: :)
Tetraplégica, uma jovem de 18 anos estava na calçada esperando que o namorado voltasse depois de estacionar o carro. De repente, uma senhora passa e joga moedas no colo da garota. Vai embora sem que a menina pudesse dizer alguma coisa. A história surreal ocorreu em São Paulo é só mais uma contada por deficientes físicos. E essa é só mais uma gafe cometida por quem não sabe lidar com eles.

Para mostrar o mundo vivido por cadeirantes, cegos ou surdos, a jornalista Claudia Matarazzo lançou este mês o livro “Vai Encarar? A nação (quase) invisível de pessoas com deficiência”. Escrito em primeira pessoa, ela ensina de que maneira lidar com homens e mulheres com problemas físicos ou neurológicos. Mostra como eles gostam de ser tratados.

Lançada pela Editora Melhoramentos, a publicação fala ainda das dificuldades, das boas ou ruins experiências do cotidiano e deixa que os deficientes dêem seu depoimento em alguns capítulos. A consultoria é da vereadora Mara Gabrilli, que é tetraplégica.

Claudia entende de festas, recepções com autoridades e etiqueta de maneira geral. É a responsável pelo cerimonial do governador de São Paulo, José Serra. No livro, lançado pela editora Melhoramentos, a autora dá dicas de como não falhar ao receber em casa uma pessoa com deficiência. Se o convidado se locomove em cadeira de rodas, o ideal é remover tapetes, afastar móveis, retirar do chão pequenos obstáculos, como esculturas, vasos ou brinquedos.

Posição relojinho

Outra situação: no jantar com os amigos, um deles é deficiente visual. Segundo Claudia, a cortesia começa no portão, onde o anfitrião deve estar para receber o convidado. Se houver uma escada no caminho, é cortês informar o número exato de degraus para evitar acidentes. “Etiqueta é bom senso. Você aplica isso à deficiência das pessoas. O que não pode é criar uma barreira de atitude, criar um muro”, afirma Claudia.

À mesa, o dono da casa deve descrever o que será servido. “Uma delicadeza extra seria preparar um cardápio que dispensasse o uso de facas, como picadinhos, massas e risotos”, explica a jornalista no livro. Outra maneira é explicar a disposição da comida no prato, como em um relógio. “Na posição três, tem um pouco de mandioquinha; na seis, está o arroz; na nove, a carne”, ensina Claudia, autora de outros 11 livros.

Portas entreabertas

Pecado mortal é receber um deficiente visual e esquecer as portas da casa entreabertas. Como não conhece o ambiente, a testa dele é a primeira que sente o impacto. “Você vai andando e encontra uma quina pela proa. A pessoa (que deixou a porta aberta) fica desconcertada. Pede mil desculpas”, conta o consultor em informática Sérgio Ramos de Faria, de 44 anos, cego desde os dois anos.

Ele mora com a mulher e duas filhas na Zona Norte de São Paulo. É o único em casa com problemas de visão e, com bom humor, diz o quanto sofre com a bagunça delas. “Procurar uma escova de cabelo é missão quase impossível. A disciplina dura dois dias”, conta ele, acostumado à organização.

Atravessando a rua

A primeira gafe cometida pela atual mulher de Faria – eles se conheceram pela internet há cinco anos – foi logo no primeiro encontro, no aeroporto do Recife, onde a moça vive. “Na primeira coluna, ela me largou”, diz, rindo, o consultor, que deu uma trombada com o peito no pilar. Segundo ele, a “chave” da relação entre as pessoas é perguntar.

“Você quer que eu corte (uma carne)? Como quer que eu te ajude? É uma gafe e tanto quando você está parado no sinal e as pessoas já vêm te puxando, te arrastando. Muito inconveniente”, explica Faria. Ele esclarece que a melhor forma de ajudar um deficiente visual a cruzar a rua é deixar que ele pegue no braço ou no ombro da pessoa. “As pessoas sempre pensam que o cego não sabe para onde vai. É um erro”.

Fonte: G1


Siga o Rio de Janeiro no Instagram:
Cadastre-se rapidamente para comentar, escolha sua Rede Social favorita.
(Se não estiver vendo mais os ícones das Redes Sociais, significa que já está cadastrado).
Li e concordo com os termos de serviço.

2 Comentários »

  1. mariza maria pedroza bezerra 18/08/2010 at 11:00 AM - Reply
    Minha mãe trabalha com mais ou menos 25 líderes que têm seu grupo de pessoas idosas e quando faz uma comemoração, tipo dia das mães ou dia dos pais etc., é uma confusão, trata-se de pessas simples, tanto as líderes como os idosos, aproximadamente 200 pessoas no total, e as líderes não ajudam a receber seu grupo, não sabem como agir, às vezes até se escondem,. Gostaria que você me desse umas dicas para que pudessemos treinál-las melhor. Trata-se de uma pastoral religiosa, e o trabalho é voluntário. Eu te agradeço muito. Obrigada!
    • @RachelKrishna 18/08/2010 at 1:52 PM - Reply
      Oi, Mariza!
      Como escrito na matéria do G1, você pode se informar melhor com o livro da jornalista Claudia Matarazzo, o “Vai Encarar? A nação (quase) invisível de pessoas com deficiência”.
      E já que você é da pastoral, pode recorrer ao vereador Marcio Pacheco que é quem cuida dos interesses de deficientes. Quer dizer, se for do Rio de Janeiro. Ele está vindo a Dep. Estadual nestas eleições.
      Se tiver mais alguma dúvida, mande para nós.
      Beijos e muito sucesso em seus trabalhos.
      Rachel.

Comente! »





Alguns artigos são escritos pela equipe do Dr. Alberto Birman

Warning: Parameter 1 to W3_Plugin_TotalCache::ob_callback() expected to be a reference, value given in /home/blogpop/www/wp-includes/functions.php on line 3250